Pausa para um filme: é hora de refletir

artigos_sobre_franquias_8_filmes_para_inspirar_empreendedoresMotivação. É isso que move o empreendedor. Quando a desmotivação bate à porta, os negócios começam a desandar. Então, se o seu empreendimento está em um momento ruim ou se você precisa de um ânimo a mais, que tal fazer uma pausa e assistir a um bom filme?

Alguns longa metragens inspiradores podem te ajudar a pensar melhor sobre o seu negócio e te auxiliar na tomada de decisões ou na mudança de rumos. Com eles você aprende, inclusive, o que não fazer e as consequências de suas atitudes para o seu psicológico.

A seleção abaixo foi feita com dicas do dono da rede de franquias Supera Ginástica para o Cérebro, Antônio Carlos Guarini. “Com mensagens diretas e indiretas, atitudes sensatas e às vezes polêmicas, eles mostram de diferentes formas a vida de homens de negócios atuando no mercado”, avalia o empresário.

De acordo com a psicóloga Gabriela Cosendey, os filmes conseguem mostrar bons exemplos da forma como a saúde emocional pode interferir, positiva ou negativamente, no ato de empreender. “Uma das principais características de um empreendedor é a capacidade de correr riscos e a saúde pode se tornar uma força, fazendo-o avançar ou quando há um comprometimento dela, uma vulnerabilidade, levando a prejuízos materiais e emocionais”, explica.

Agora, prepare a pipoca e assista a cada um desses filmes. Extraia o que há de melhor neles e aplique no seu negócio:

Sua Ideia de Negócio é Lucrativa?

Saiba quais são as 4 Perguntas Poderosas que podem salvar seu negócio antes mesmo dele ser criado. Evite cometer os ERROS COMUNS dos empreendedores de primeira viagem. Saiba mais...

PS: No final eu apresento uma ferramenta que pode triplicar suas chances de sucesso com um negócio próprio. Clique aqui!.

 

1 – A Procura da Felicidade
Chris Gardner (Will Smith) é um pai de família que enfrenta sérios problemas financeiros. Apesar de todas as suas tentativas de manter a família unida, Linda (Thandie Newton), sua esposa, decide partir. Chris agora é pai solteiro e precisa cuidar de Christopher (Jaden Smith), seu filho de 5 anos. Ele tenta usar sua habilidade como vendedor para conseguir um emprego melhor, que lhe dê um salário mais digno.

Guarini observa que, mesmo tornando-se um sem-teto, o personagem se esforçou para oferecer o melhor para seu filho e nunca desistiu de seus sonhos. Ele arriscou, foi persistente e versátil, sem perder o equilíbrio emocional. “Essa paixão e os sacrifícios necessários durante a jornada são algo que todo empresário deve estar disposto a abraçar”, ressalta.

Na opinião de Gabriela, o filme mostra um homem de atitudes corretas e exemplares, mas que lançou mão de algumas pequenas mentiras frente a situações de constrangimento pelas quais passou enquanto estava desempregado mas que, ao mesmo tempo teve muita coragem, perseverança e resiliência, mostrando-se emocionalmente saudável, mesmo perante situações extremamente difíceis. “Alguém capaz de empreender e obter sucesso, como o fez ao conquistar a tão sonhada vaga como corretor da bolsa de valores e tornar-se em seguida um grande empresário e milionário”, analisa a psicóloga.

2 – A Rede Social
Em uma noite de outono em 2003, Mark Zuckerberg (Jesse Eisenberg), analista de sistemas graduado em Harvard, senta-se em seu computador e começa a trabalhar em uma nova ideia. Seis anos mais tarde, Zuckerberg se torna o mais jovem bilionário da história com o sucesso do Facebook.

O filme oferece ao espectador uma melhor compreensão sobre como apostar de forma bem sucedida em uma ideia, exibindo qualidades como ser flexível e resistente, segundo Guarini.

Para a psicóloga, o personagem de Zukerberg demonstra logo no início da história uma dificuldade muito grande em lidar com as próprias emoções e em se relacionar com as pessoas. “Mas como poderia uma pessoa assim ter criado o fenômeno que é hoje o facebook? Seria o empreendimento fruto de seus sintomas? Uma “solução” que encontrou para lidar com a sua realidade? Além disso, fica evidente o comprometimento moral devido à forma como se apoderou da ideia de um novo site de relacionamentos dos irmãos Winklevoss, demonstrando frieza e sem aparentar temor às consequências”, explica Gabriela.

A especialista ressalta que algumas doenças psíquicas podem não comprometer a inteligência. Alguns gênios que existem e existiram na história da humanidade foram pessoas seriamente adoecidas. “No caso do personagem de Mark, ele conseguiu sucesso como empreendedor de seu negócio, mas o filme mostra que houve fracassos em sua vida pessoal”, conta Gabriela. Então, é importante saber que em algum momento, as dificuldades pessoais podem comprometer o desempenho do empreendedor, podendo levá-lo a cometer atitudes que prejudiquem o sucesso do negócio. “Aparentemente por alguma identificação pessoal, Mark incluiu como sócio o personagem de Sean Parker, alguém que poderia ter causado grandes prejuízos devido a atitudes imprudentes e escandalosas. Ao mesmo tempo em que se afastou e traiu a confiança do personagem de Eduardo Saverin, apresentado no filme como uma pessoa qualificada, mentalmente saudável e equilibrada, características positivas para se ter em um sócio”, pontua.

3 – O Lobo de Wall Street
O filme, estrelado por Leonardo Dicaprio, conta a história verídica do corretor da bolsa nova-iorquino Jordan Belfort. “O sucesso excessivo e a sua gigantesca fortuna aos vinte e poucos anos, enquanto fundador da corretora Stratton Oakmont, deram a Belfort o título “O Lobo de Wall Street””, conta Guarini.

Para Gabriela, o filme consegue mostrar um exemplo de ascensão e queda profissional através da história de um homem portador de extrema inteligência, notável percepção, também um excelente estrategista e brilhante orador. “Com inúmeras características de um empreendedor de sucesso, sua maior vulnerabilidade foi resultado do vício em cocaína e outras substâncias. Além de questões graves de caráter, como mentiras e a prática de crimes e atitudes extremas e escandalosas”, diz.

O longa metragem mostra que negócios ilícitos podem gerar rápido retorno em um primeiro momento, mas com grandes perdas no futuro. “Porém após tantas perdas, sofrimento, desgaste e exposição negativa, o personagem busca tratamento e se reabilita, mostrando capacidade de superação e recuperação, tornando-se um palestrante motivacional de sucesso”, ressalta.

Em “O Lobo de Wall Street” também podemos assistir a uma aula sobre o poder de persuasão. “Ele consegue fazer com que até o cliente mais desinformado compre o seu produto”, observa Guarini.

5 – O Homem que mudou o jogo
Billy Beane (Brad Pitt) é o gerente do time de baseball Oakland Athletics. Com pouco dinheiro em caixa e a ajuda de Peter Brand (Jonah Hill), ele desenvolveu um sofisticado programa de estatísticas para o clube, que fez com que ficasse entre as principais equipes do esporte nos anos 80.

Para Guarini, Beane tinha que ser inovador. “E essa é uma das características mais conhecidas de empresários e empreendedores: descobrir como fazer algo melhor”, aconselha. A psicóloga concorda. “Ele é um profissional que se vê frente a situações desafiadoras e que assume os riscos de uma forma de trabalho fora do convencional. Enfrenta muitas críticas, mas consegue lidar com as diferentes opiniões e o pessimismo em torno de sua estratégia mostrando sem se abalar e sem adoecer”, esclarece.

6 – Wall Street – O dinheiro nunca dorme
Após cumprir pena por fraudes financeiras, Gordon Gekko (Michael Douglas) deixa a prisão. Um dia, ele é abordado por Jacob Moore (Shia LaBeouf), um operador idealista do mercado de Wall Street, procurando por conselhos sobre como agir com um grande investidor. Gekko decide ajudá-lo, pedindo em troca que Jacob o ajude a se reaproximar de Winnie.

“O ponto mais interessante trazido pelo diretor foi a mensagem de valores familiares esquecidos por muitos gananciosos do mercado”, analisa Guarini. Segundo Gabriela, todos precisamos estar motivados para avançar no que for, e é fundamental saber reconhecer se o que buscamos está alinhado com o nosso verdadeiro desejo e poder pensar nos “porquês” das escolhas. “Com esse filme, percebemos como principais motivadores a vingança e cobiça, e como conseqüência prejuízos emocionais e relacionais”, explica.

7 – O Aviador
Howard Hughes (Leonardo DiCaprio) ficou milionário já aos 18 anos, devido à herança de seu pai. Pouco depois ele se mudou para Los Angeles, onde passou a investir na indústria do cinema, pela qual dirigiu grandes filmes. Paralelamente Hughes se dedicou a uma de suas maiores paixões, a aviação.

Para Antônio Carlos Guarini, O Aviador é um filme que narra a obsessão da criação de um negócio. “Hughes é o tipo de empreendedor que consegue investir em muitas ideias ao mesmo tempo e se torna obsessiva com elas”, observa.

Gabriela Cosendey ressalta que essa neurose fez com que ele precisasse se afastar do trabalho que tanto amava, afetando sua imagem e sua credibilidade, além de inúmeros prejuízos. “Isso mostra que é importante e estar atento a si mesmo, que sintomas podem ser tratados e até mesmo desaparecer (dependendo da intensidade e da doença) possibilitando ao profissional levar uma vida normal desde que se busque ajuda psicológica e em alguns casos psiquiátrica também”, orienta.

A psicóloga observa que quase todos os filmes dessa seleção foram baseados em histórias reais, por isso ressaltam muito do que acontece na realidade e facilitam uma analogia com nossa vida e auxiliam a reflexão. “Permitem pensar sobre como a saúde emocional faz grande diferença na vida profissional. O profissional que se destaca é o que melhor se conhece, que sabe quais são suas competências e o que precisa desenvolver e tratar. Então é poder pensar: que tipo de empreendedor você deseja ser?”, questiona Gabriela.

0.00 avg. rating (0% score) - 0 votes

 

► Dica Importante!


Independente do tipo de negócio que você deseja montar é muito importante fazer um planejamento. Estude em livros, contrate uma consultoria, use o Kit Como Abrir Um Negócio, enfim, escolha a opção que mais lhe agrada, apenas NÃO ARRISQUE suas economias e o bem-estar da sua família em um chute!


 

DEIXE UMA RESPOSTA