Rafaela Reck: inspiração que vem do Brasil

Rafaela Reck
Rafaela Reck

A Gringa Brasil tem pouco tempo de estrada, mas chegou para mostrar a cara do Brasil. As peças das coleções de lingerie são inspiradas no que se vê pelo Brasil e a aposta tem dado muito certo. Por trás das ideias está a jovem Rafaela Reck. Com 27 anos, a gaúcha é formada em Design de Moda e Tecnologia pela Feevale/RS e possui pós-graduação em Ciências do Consumo Aplicadas pela ESPM/SP.

Pesquisando sobre o mercado brasileiro no segmento de lingeries, Rafaela quis ir além e levou para as lojas modelos com cores mais vibrantes. Sempre tendo o Brasil como inspiração, a empresária saiu do lugar comum e reinventou o verde e amarelo.

A marca de Rafaela gosta de brincar com as peças íntimas e propõe que estas componham o visual, com alças coloridas à mostra e estampas exclusivas, desenhadas a mão. talvez, por isso, esteja agradando tanto ao público.

Nessa conversa com o Novo Negócio, Rafaela Reck apresenta a Gringa Brasil, fala dos projetos futuros e sobre a relação com o consumidor. Veja:

Novo Negócio – Como a ideia da Gringa saiu do papel e virou realidade?

Sua Ideia de Negócio é Lucrativa?

Saiba quais são as 4 Perguntas Poderosas que podem salvar seu negócio antes mesmo dele ser criado. Evite cometer os ERROS COMUNS dos empreendedores de primeira viagem. Saiba mais...

PS: No final eu apresento uma ferramenta que pode triplicar suas chances de sucesso com um negócio próprio. Clique aqui!.

 

Rafaela Reck – Foi surgindo com muita pesquisa, observando o que tinha e o que não tinha no mercado brasileiro nesse segmento, o que seria um diferencial no segmento e aí tive a ideia de trazer essa questão do tropicalismo para um segmento que geralmente trabalha com cores mais básicas.

Novo Negócio – A pegada da Gringa é bem brasileira e cheia de tropicalidade. Como é o seu processo criativo para uma nova coleção?

Rafaela Reck – A gente não segue um processo só, as ideias vão surgindo e corremos atrás pra ver o que pode surgir disso. O que a gente segue é sempre estar de olho no que está acontecendo, em novas ideias, pesquisando, desenhando, testando desenhos e combinando um com o outro. A gente busca as referências no Brasil, mas um Brasil que não precisa ser caricaturado, então as vezes surgem algumas ideias mais urbanas, que olhando de primeira não identifica o Brasil, mas se for observar cidades como São Paulo, dificilmente a gente vai ver algo de tropicalismo, a gente vê o Grafitte nas ruas, o cinza dos prédios e alguns pontos verdes no meio disso tudo. Aí que está o legal de trabalhar com esse conceito de Brasil e é nisso que a gente se baseia para criar. Depois disso a gente desenha a mão, no computador, busca imagens e vai testando a estampa com as cores dos aviamentos e modelos de sutiã e calcinha que mais gostamos.

Novo Negócio – Por que você acha que a Gringa chegou para preencher um gap no mercado?

Rafaela Reck – Na verdade o segmento como um todo está saindo do básico, é legal ver que temos várias marcas pequenas apostando em diferenciais e cada um com seu estilo. A gente trabalha modelagens mais simples mas que ficam ótimas com estampas que geralmente a gente via no beachwear. A Gringa surgiu para trazer esse estilo pro dia a dia, pra se sentir bem, é uma delícia acordar e colocar um biquini, não é? É isso que a gente quer trazer pro dia a dia das mulheres, desde a primeira peça que tu vai vestir, sinta-se bem, linda, poderosa, o que quiser, mas sintas-se bem.

Novo Negócio – Qual é o diferencial do seu trabalho?

Rafaela Reck – Nós gostamos de pensar que, para ser sexy não precisa usar fio dental. A mulher pode se sentir sexy com o que estiver usando, o que importa não é a peça, é o que ela sente. E isso reflete na pessoa. Não só se sentir sexy mas se sentir bem com o seu corpo independente do modelo que usa. E é isso que buscamos com a Gringa, trazer a leveza de ser quem você é e se sentir bem com isso e realmente esperamos que esse seja o nosso diferencial.

“Ser empreendedora pra mim é não ter medo de errar. É preciso ter muita vontade de fazer dar certo, porque muita coisa pode acontecer de errado e quem tem que resolver é o empreendedor”.

Novo Negócio – Antes de lançar a marca, como foi a sua pesquisa de mercado?

Rafaela Reck – Pesquisamos tudo que é tipo de coisa, desde processo criativo de estampas até como formalizar a empresa. É um trabalhão, demoramos 6 meses até ter tudo esquematizado para aí começarmos a pensar na coleção. Temos que pesquisar fornecedores, concorrentes, o próprio mercado, a economia do país, os consumidores, os melhores pontos de venda, então é um processo muito cansativo mas totalmente necessário para começar 100%. E mesmo assim a gente descobre coisas novas todo mês, ser empreendedor é um grande desafio porque a gente não pode deixar pra depois, ou deixar pra outros resolverem, é o teu futuro, é a tua aposta de vida e na maioria das vezes é o teu sonho.

Novo Negócio – Hoje as redes sociais são excelentes meios de divulgação das marcas, bem como um ótimo canal para uma relação com o consumidor. A Gringa faz uso dessas redes? Como é a relação com o público-alvo?

Rafaela Reck – A gente trabalha legal com esses meios, ainda temos muito que aprender já que somos uma empresa muito pequena para ser expert da internet, mas tentamos trazer o conceito da marca para esse público. Ainda sentimos dificuldade em fazer essa ponte com o consumidor online, porque não temos uma participação deles na nossa marca, mas também estamos no começo e tudo precisa ser feito com calma para não fazer errado. Na internet muita coisa pode dar errado e aí é difícil esquecerem esse erro.

Novo Negócio – Como você avalia o mercado de lingeries no Brasil?

Rafaela Reck – Assim como todos os outros segmentos de vestuário no Brasil, temos muito problema com a mão de obra. Por sorte encontramos pessoas incríveis para ajudar a gente, mas até encontrar tivemos problemas e frustrações. Nunca tivemos problemas com prazos de entrega mas sei que muita gente tem esse problema com prometer entregar e não receber na data certa, é muito informal a relação com as oficinas de costura, e ainda corre o risco de cair em oficinas que fazem uso de regime de escravidão com os funcionários. O mercado em si, está crescendo muito na questão de variedade, temos muitas marcas incríveis com modelagens super diferentes, etc, mas meu medo é sempre a questão da mão de obra que não acompanha o ritmo de crescimento e profissionalização.

Novo Negócio – Para você o que é ser empreendedora? Que características você considera fundamental ter para que o negócio dê certo?

Rafaela Reck – Ser empreendedora pra mim é não ter medo de errar. É preciso ter muita vontade de fazer dar certo, porque muita coisa pode acontecer de errado e quem tem que resolver é o empreendedor. Acho que primeiramente a pessoa precisa ter certeza que é isso que ela quer e ter experiência no mercado. Isso ajuda na hora de buscar contatos e fornecedores. Ser empreendedor é como ter um filho, é difícil se desligar dele nos finais de semana e tudo gira em torno dele. Mas como ter filhos é incrível, no final do dia tu está super feliz com os primeiros passos dele, com a primeira foto dele, etc. Com a empresa é a mesma coisa. Sobre características, acho que depende muito de cada pessoa, é preciso ver o que a pessoa é boa e o que ela não é. Fazer essa lista e ver o que pode fazer com as coisas que ela não é boa, contratar alguém? Fazer um curso pra melhorar? Pedir pra mãe, irmã, pai? Porque, como no meu caso, eu sou ótima em criar, mas péssima em vender, e se eu não trabalhar essa característica que eu não tenho, o negócio não dá certo. Então buscar as competências e analisar cada uma e aí ver o que fazer com cada departamento da empresa para que ele funcione como uma grande empresa, porque o empreendedor é tudo, é financeiro e criativo e se não souber no que ele não é tão bom e solucionar esse problema não tem como funcionar. Só na sorte aí.

Novo Negócio – Que dicas você daria para jovens que desejam ter um negócio próprio, independente do segmento?

Rafaela Reck – Eu diria pra pensar bem antes de mais nada, porque as coisas ficam mais trabalhosas quando se empreende, mas digo também pra arriscar, tudo com muito pé no chão. Correr atrás de um sonho não é trabalhar no que gosta, é desafiar a si mesmo.

Novo Negócio – Como é sua avaliação do negócio? Qual sua expectativa para a Gringa em curto prazo?

Rafaela Reck – Estamos trabalhado com muita atenção nos últimos meses. O começo de 2014 está sendo muito conturbado e pouca coisa acontece nesse hiato entre o carnaval e a copa. E antes do carnaval todos sabem que nada acontece também. Então estamos trabalhando com um cuidado redobrado para aproveitar as oportunidades que surgem nesse meio tempo e torcendo pra que depois da copa a economia como um todo tenha novidades boas. Nossa expectativa a curto prazo é buscar novos pontos de venda da marca em outras capitais que ainda não trabalhamos.

5.00 avg. rating (89% score) - 1 vote

 

► Dica Importante!


Independente do tipo de negócio que você deseja montar é muito importante fazer um planejamento. Estude em livros, contrate uma consultoria, use o Kit Como Abrir Um Negócio, enfim, escolha a opção que mais lhe agrada, apenas NÃO ARRISQUE suas economias e o bem-estar da sua família em um chute!


 

DEIXE UMA RESPOSTA